Proveniente do inglês Material Requirement Planning o MRP (Planejamento das Necessidades de Materiais) é uma ferramenta surgida na década de 60 que transforma a previsão da demanda de um determinado produto em uma programação das necessidades dos itens para comporem este mesmo produto.

O MRP identifica a quantidade de itens necessários para a produção dos produtos ora solicitados, colaborando assim para reduzir a quantidade de estoque disponível, uma vez que automaticamente ele identifica a necessidade existente para compor os produtos bem como a disponibilidade de matéria-prima disponível.

O sistema de MRP identifica questões como: quais são as partes necessárias para atender a demanda dos produtos finais, quais as quantidades necessárias e em que momento estas partes serão necessárias. Assim, alia-se o tipo de produto, suas partes e o momento que serão utilizadas.

Para colaborar com a perfeita utilização desta ferramenta, existe um Plano Mestre de Produção que é responsável por informar quais serão os produtos finais, para quais datas e suas respectivas quantidades. A Lista de Materiais é responsável por desmembrar as informações (o termo utilizado é explodir), ou seja, qual será a necessidade de cada item para compor o respectivo produto. Em seguida é apresentado o Relatório de Controle de Estoques que informa quais são as quantidades disponíveis dos produtos acabados, semi-acabados e componentes existentes.

Vamos imaginar um produto “A”. Este produto é composto por 10 itens do componente “B”, 5 itens do componente “C” e 45 itens do componente “D”. No estoque existem 1.100 itens do componente “B”, 520 itens do componente “C” e 4.400 itens do componente “D”.

Supondo a necessidade de produção de 100 produtos “A”, ele “explode” (termo utilizado para identificar o desmembramento das informações) as informações, alertando a necessidade de agregar 1.000 itens do componente “B” (100 x 10), 500 itens do componente “C” (100 x 5) e 4.500 itens do componente “D” (100 x 45). O Relatório de Controle de Estoques identificará que os itens “B” e “C” são suficientes para atender a demanda existente, mas o item “D” necessitará de ser comprado mais 100 unidades para atender a demanda existente mais a quantidade de itens necessários para manter o estoque de segurança definido pela empresa.

O MRP, foi “atualizado” focando uma atuação direta e indiretamente com várias áreas dentro da empresa, identificando os investimentos necessários, tempos de produção, otimização e alocação de equipamentos e pessoas, quantidade de itens a serem comprados, lead time de compras, produção de todas as fases e prazo de entregas. Esta evolução natural foi chamada de MRP II (Manufacturing Resources Planning) que em português significa Planejamento dos Recursos de Manufatura foca ainda o cálculo das necessidades ao planejamento dos demais recursos de manufatura e não mais apenas dos recursos materiais. O MRP II é um sistema de planejamento ilimitado, ou seja, não considera as possíveis restrições de capacidade dos recursos.

Logo, caso a intenção de sua empresa seja administrar melhor seus recursos, sejam eles físicos, financeiros, humanos e até mesmo de relacionamento com seus clientes e fornecedores, o MRP II é uma excelente alternativa.


Reprodução Autorizada desde que mencionado o autor e o site e comunicada sua utilização através do e-mail trueconsultoria@trueconsultoria.com.br


 

Simplificando o MRP
por Wagner Campos